Dicas sobre carreira

Trabalhar com pesquisa: como um biomédico atua como pesquisador?

setembro 17, 2019
trabalhar com pesquisa
Tempo de leitura 6 min

A escolha do curso de graduação é um momento de incerteza para grande parte dos estudantes. Embora muitos já imaginem a ocupação que querem ter no futuro, nem sempre o caminho que os guiará a tal objetivo está claro. Isso é particularmente verdade para aqueles que desejam trabalhar com pesquisa nas áreas das Ciências Biológicas e da Saúde.

 Se você também tem essa dúvida, saiba que a graduação em Biomedicina é uma ótima porta de entrada para quem deseja vestir o jaleco e fazer pesquisa junto a pipetas, tubos de ensaio e equipamentos, entre vários outros instrumentos e materiais de químicos e biológicos. O profissional biomédico pode escolher, entre as mais de 30 áreas de atuação, aquela que se encaixa melhor ao seu perfil.

Quer conhecer um pouco mais sobre a carreira do biomédico que trabalha com pesquisa? Siga conosco e descubra as múltiplas oportunidades que estão ao alcance do pesquisador formado em Biomedicina.

Como é o dia a dia de um pesquisador em Biomedicina? 

O pesquisador biomédico pode atuar em diversas áreas, que vão desde o estudo de componentes específicos de uma célula até o desenvolvimento de novas formas de diagnosticar e combater uma determinada doença. Independentemente do campo de trabalho, o profissional pode esperar uma rotina instigante e que dificilmente cairá na monotonia.

Para os biomédicos que optam por trabalhar com pesquisa, um dia nunca será igual ao outro. Além de realizar experimentos para testar suas hipóteses, o pesquisador estará sempre envolvido em muita leitura e estudo. Estamos falando, portanto, de uma carreira em que a atualização constante não é apenas um diferencial, mas sim uma necessidade.

Afinal, novos estudos são publicados diariamente, e os resultados obtidos por um grupo de pesquisa servem como base para novos questionamentos e conclusões. Divulgar seu trabalho para a comunidade, científica ou não, também é uma atribuição do pesquisador, que é responsável por escrever artigos, realizar palestras e ministrar cursos.

A formação de pessoas é outro ponto importante na rotina do pesquisador. Por meio da orientação de alunos, o profissional garante a continuidade da sua pesquisa ao mesmo tempo em que contribui para o currículo de estudantes de graduação ou pós-graduação, multiplicando o conhecimento adquirido ao longo dos anos.

Cabe ainda ao pesquisador biomédico a elaboração de projetos de pesquisas para conquistar parcerias ou obter suporte financeiro para a realização de suas atividades. Além disso, o profissional pode participar de bancas e comitês julgadores, usando seu conhecimento para avaliar estudantes ou outros profissionais.

Em quais áreas o biomédico pode trabalhar com pesquisa?

O Conselho Federal de Biomedicina reconhece diversas habilitações do biomédico. Dessa forma, as possibilidades desse profissional dentro da pesquisa são muito amplas. Vamos conhecer agora algumas áreas em que o biomédico pode exercer suas atividades.

Bioquímica

Todo organismo depende de inúmeros processos químicos para se manter vivo. O ramo da ciência que estuda as estruturas e as transformações moleculares que ocorrem dentro das células é a Bioquímica.

Aqueles que trabalham nessa área têm como foco de interesse o melhor entendimento dos processos bioquímicos necessários à manutenção da vida, incluindo:

  • produção de biomoléculas (proteínas, lipídeos, ácidos nucleicos e outras);
  • transporte de substâncias entre as células e o meio;
  • mecanismos de conversão de energia.
  • estudo do metabolismo e suas alterações que podem desencadear diversas doenças crônicas.

Hematologia

O biomédico que deseja trabalhar com pesquisa para buscar maior compreensão sobre as doenças do sangue e seus métodos de diagnóstico e tratamento deve aprofundar seus estudos em Hematologia. Esse profissional pode contribuir — e muito! — para a qualidade de vida de pacientes que sofrem de enfermidades como:

  • anemias;
  • leucemias;
  • linfomas;
  • trombofilias;
  • hemoglobinopatias.

Imunologia

Estudar as respostas do organismo que o ajudam a combater doenças faz parte da rotina dos biomédicos que se especializam em Imunologia. A pesquisa desses profissionais busca elucidar o funcionamento do sistema imune de indivíduos sadios ou acometidos com doenças autoimunes, cânceres, infecções virais ou bacterianas, entre outras, além de desenvolver métodos de diagnóstico para as doenças transmissíveis e não transmissíveis.

Biologia Molecular

trabalhar com pesquisa

A Biologia Molecular surgiu para desvendar como os fenômenos biológicos estão relacionados ao material genético das células. Há poucas décadas, essa área ganhou uma aliada de peso: a bioinformática. Essa combinação permitiu aos pesquisadores processar quantidades enormes de dados e obter informações em larga escala de maneira rápida e precisa.

Os biomédicos podem aplicar a Biologia Molecular nos mais diversos modelos, desde microrganismos simples até seres mais complexos. Foram os avanços nesse campo que permitiram, por exemplo, a produção de insulina humana em bactérias e o desenvolvimento das modernas técnicas de edição de genomas que prometem revolucionar a terapia gênica. Além disso, esta ferramenta permite o diagnóstico de doenças genéticas e causadas por microorganismos, bem como quantificar a carga viral de infecções como, por exemplo, do HIV e dos vírus das Hepatites, entre outras.

Como se tornar um pesquisador na área de Biomedicina?

A carreira de um biomédico na pesquisa pode começar ainda durante a graduação. A iniciação científica dos estudantes acontece desde os períodos iniciais do curso. Durante essa espécie de estágio, o futuro biomédico é orientado por um professor e participa dos experimentos e demais tarefas que fazem parte da rotina do laboratório.

Para quem deseja trabalhar com pesquisa, seguir os estudos após o término da graduação é fundamental. Os programas de mestrado e doutorado são os grandes responsáveis pela pesquisa que temos hoje no Brasil. O biomédico, além de aprender constantemente, participa da formação do conhecimento.

Da iniciação científica ao doutorado, os estudantes podem obter bolsas, normalmente pagas por agências de fomento como CAPES, CNPq ou Fundações de Amparo à Pesquisa estaduais. O valor e as exigências de cada modalidade de auxílio variam de acordo com o nível de escolaridade e com particularidades de cada órgão.

Existem ainda outras opções de auxílio e formas de incentivo à pesquisa. O biomédico que deseja se estabelecer como pesquisador deve estar sempre atento aos editais que são abertos periodicamente para a concessão dessas verbas, uma vez que, enquanto alguns programas são descontinuados, outros são criados.

Uma opção bastante interessante para os biomédicos na pesquisa é a possibilidade da realização de parte de seus estudos ou experimentos no exterior. Para isso, o profissional pode concorrer a bolsas pagas por agências brasileiras (como aquelas oferecidas no âmbito do Ciências sem Fronteiras) ou mesmo internacionais.

Por essa na análise, vemos que trabalhar com pesquisa é uma ocupação com diversas possibilidades e que abraça diferentes perfis profissionais. O biomédico que deseja seguir esse caminho deve ter em mente que jamais deixará de buscar o aprendizado e estará imerso em um trabalho dinâmico em que cada nova resposta abre um leque de novas perguntas.

Mas não é só na pesquisa que um biomédico pode atuar. Acesse nosso miniguia sobre a Biomedicina e conheça todas as áreas de atuação desse profissional.

Você também pode gostar

Sem comentários

Deixe um comentário