Educação em Saúde

Por que desenvolver aulas práticas no ensino superior?

dezembro 27, 2018
Tempo de leitura 6 min
Vestibular Faculdade PMPowered by Rock Convert

Cada dia mais, as faculdades se preocupam em fornecer mais que apenas instrumentais teóricos aos alunos. Uma formação profissional qualificada requer também que se desenvolvam aulas práticas no ensino superior e essa exigência tem norteado os projetos pedagógicos dos cursos. Além disso, metodologias como a de Aprendizagem por Solução de Problemas e a interdisciplinaridade têm ajudado muito a tornar a prática mais comum nas instituições de ensino superior.

O aprendizado só é completo quando se tem o arcabouço teórico em conjunto com a vivência prática. A ausência de um ou de outro costuma criar profissionais com deficiência de formação, que não conseguem se desenvolver além de certo nível. Usualmente, aqueles que só possuem a teoria têm imensa dificuldade de lidar com o dia a dia profissional, e os que só têm a prática não conseguem extrapolar os limites para uma abordagem teórica que propicia a compreensão de todo um contexto.

Levando isso em consideração, cursos superiores com programas e matérias que aproximem o estudante de aulas práticas se mostram como um diferencial importante para o mercado de trabalho, pois tendem a preparar melhor os alunos para situações reais da vida profissional.

Para descobrir a importância das aulas práticas na faculdade, continue lendo nosso artigo!

Vantagens das aulas práticas

Fixação do aprendizado

A fixação do conhecimento ministrado na faculdade é um desafio antigo. Os métodos tradicionais de aula expositiva, anotações ou mesmo o mero uso de multimídias alcançam, no máximo, uma retenção de aproximadamente 60% do conhecimento. Isso acaba tornando as aulas repetitivas e maçantes, fazendo com que os estudantes percam o interesse. Uma das soluções possíveis é investir mais em aulas práticas.

Dessa forma, uma das grandes vantagens de se aliar a teoria com aulas práticas no ensino superior é a melhor fixação do conteúdo estudado. A mente humana tem uma taxa de aprendizado maior quando experiencia situações próximas do real. De fato, a associação entre o aprendizado teórico e o prático facilita a consolidação do conhecimento e ajuda no desenvolvimento do saber do aluno, sobre tudo em cursos da área de saúde.

Melhoria no aproveitamento acadêmico

Justamente por fixar melhor o aprendizado, as aulas práticas ajudam no aproveitamento acadêmico dos alunos. Não apenas em questão de notas, mas sim em conseguir absorver toda a experiência universitária como uma preparação para a vida profissional. A partir dessa vivência, os estudantes podem desfrutar de experiências que serão muito úteis no futuro, em ambientes controlados e com professores e tutores supervisionando.

Valorização profissional

Para além disso, cursar uma faculdade que se preocupa em aliar os estudos teóricos aos práticos conta muito na hora de conseguir uma colocação no mercado. Esse tipo de experiência garante grande vantagem em entrevistas e é um valor agregado na hora da busca por um emprego ou mesmo nos processos seletivos para a realização de uma pós-graduação, seja ela “Latu Sensu” ou “Strictu Sensu”. Quer dizer, o estudante já sai da faculdade com experiência profissional real, que é apreciada pelos recrutadores.

A valorização de uma profissão com formação prática já é uma realidade que as universidades precisam levar em conta.

Implementação das aulas práticas

Estágios

Uma das formas mais comuns de se aliar a prática com a teoria é a oferta de estágios, ou seja, uma opção supervisionada de se experimentar uma profissão. Estagiários são muito comuns em escritórios, laboratórios, agências e outros negócios e são regidos por legislação própria. Mas não são apenas os estágios externos que existem, é também bastante comum, e em alguns cursos inclusive exigido pela matriz curricular, que os estudantes façam estágios internos.

Esses ocorrem na própria faculdade ou em parceria com essa e costumam envolver atendimento ao público de condições especiais, como pessoas de baixa renda, por exemplo. Esse tipo de prática tem um grande aproveitamento, visto que é supervisionado por profissionais da área e professores.

Aprendizagem Baseada em Problemas

A Aprendizagem Baseada em Problemas é uma metodologia de ensino bastante utilizada nas áreas de saúde, mas com forte expansão para as áreas de exatas e também nas faculdades jurídicas. Baseia-se em uma forma interdisciplinar de aprender, a partir de um problema prático que deverá ser pesquisado e solucionado por um grupo de alunos.

Esse tipo de abordagem inverte a ordem tradicional do ensino. Nesta, primeiro há a exposição do conteúdo, para então passar para as situações práticas. Na ABP, o facilitador, que faz o papel de professor e guia, apresenta uma questão, as fontes para a investigação e auxilia nas buscas pelas respostas. Ou seja, a teoria passa a emergir uma situação problema da vivência prática, e não o contrário.

Projetos de extensão

Outra forma muito comum de se trabalhar a prática são os projetos de extensão. São projetos de cunho investigativo prático que atuam junto com a comunidade social, cultural ou mesmo acadêmica, que tratam de assuntos delimitados e, deles, é possível o desenvolvimento de pesquisas científicas.

Os projetos de extensão são, na imensa maioria das vezes, de cunho social, um retorno à comunidade. Além de serem experiências intensamente ricas, são um grande diferencial no currículo e podem ajudar muito a desenvolver habilidades tangenciais ao curso.

Laboratórios

Os laboratórios são uma outra forma de se aliar a teoria com as aulas práticas no ensino superior. São diversos tipos de laboratórios nas áreas de saúde, química e exatas que trabalham o desenvolvimento científico dentro das faculdades. Aprender no laboratório é, portanto, aplicar a teoria estudada em campo, com supervisão, controle e equipamentos que possibilitam o estudante desenvolver habilidades específicas, extremamente importantes para a vida profissional.

Monitorias

As monitorias são uma forma peculiar de se utilizar a prática para ensino. Os monitores são estudantes que já fizeram uma determinada disciplina e se candidataram com os professores para auxiliá-los com outras turmas. Servem como intermediários e guias para os calouros, um ponto de referência mais próximo. A monitoria ajuda no desenvolvimento prático ao colocar o estudante no outro lado do papel da educação, o de quem está ensinando e transmitindo experiências vivenciadas dentro das áreas de maior afinidade.

Como se pôde ver, as aulas práticas no ensino superior são de grande relevância para o desenvolvimento acadêmico e profissional de todos os alunos. Além disso, são também uma tendência das faculdades e do desenvolvimento pedagógico, como uma importante parte para complementarem os métodos utilizados no ambiente teórico.

Hoje em dia, é impossível falar em ensino de qualidade sem considerar que é preciso aliar a teoria com a prática. Procure conhecer mais sobre o assunto seguindo-nos em nosso Facebook, Instagram e LinkedIn!

Você também pode gostar

Sem comentários

Deixe um comentário