Biomedicina, Dicas sobre carreira

Como o biomédico pode se tornar um perito criminal?

abril 3, 2020
perito criminal
Tempo de leitura 6 min

A profissão de criminalista ou, como também é conhecida, perito criminal inclui vários trabalhos no campo da ciência forense e tem como foco a criação de vínculos entre cenas, vítimas e criminosos, ajudando a desvendar crimes das mais variadas magnitudes.

Com profissionais formados em cursos na área da saúde, preferencialmente, é um excelente mercado de atuação para biomédicos que veem na carreira uma oportunidade de ajudar a população na identificação de criminosos que, muitas vezes, não seriam pegos sem a atuação do perito.

Mas você sabe como um biomédico pode se tornar um perito criminal? É sobre isso que vamos falar neste post. Vamos lá?

O que faz um perito criminal?

Responsável pela análise e produção de laudos técnicos acerca de cenas de crimes e/ou objetos coletados no local, um perito criminal emite seu parecer baseado em evidências e conhecimento prévio de sua formação.

Habilitado para atuar em mais de 40 áreas diferentes, o biomédico tem a responsabilidade de usar suas capacidades a fim de favorecer a justiça, auxiliando na investigação criminal e na identificação de criminosos.

Apesar do que vemos comumente em filmes e seriados policiais, a maior parte dos casos atendidos por peritos é relacionada a pessoas vivas. Por isso, ter uma especialização na área de inteligência emocional pode ser um diferencial ao lidar com as vítimas que estarão fragilizadas emocionalmente.

Em que áreas da perícia criminal o biomédico pode atuar?

Como essa é uma área de atuação bem ampla, com diversas oportunidades para os graduados, vamos apresentar algumas possibilidades englobadas pela perícia criminal e, depois, os requisitos básicos para a investidura no cargo. Acompanhe!

Perícia genética forense

Os peritos em genética forense analisam qualquer tipo de material biológico (sangue, saliva, tecido epitelial, entre outros), seja ele humano, seja ele animal. O foco é analisar a origem do material colhido questionado ou retirado de algum local específico a fim de identificar sua origem.

Perícia química forense

Já a perícia química forense pesquisa, analisa e caracteriza drogas, fármacos, alimentos, agrotóxicos, tintas, combustíveis, entre outros, e tem como foco identificar e demonstrar quantidades de substâncias acima do permitido no material averiguado, bem como a legalidade dessas substâncias.

Toxicologia forense

Toxicologia forense é a ciência multidisciplinar que analisa e revela a veracidade de um fato perante a lei. Ou seja, o profissional dessa área de atuação identifica e quantifica os efeitos prejudiciais associados a um ou mais produtos tóxicos. De grande importância, essa é uma área que está em alta no mercado de trabalho e que necessita para atuação de pós-graduação em Toxicologia.

Perícia de local de crime

Considerada o “berço” da Criminalística, a perícia de local de crime é, geralmente, o ponto de partida de uma investigação. No local de um crime, físico ou virtual, o perito tem a função de analisar a cena em busca de vestígios a fim de esclarecer crimes, criminosos e a forma como os fatos ocorreram.

Perícia de meio ambiente

Outra possibilidade de atuação para o biomédico é na perícia de meio ambiente, que visa analisar, com bases técnicas e científicas, as atividades relacionadas a crimes ambientais e suas implicações ao ser humanos e à natureza. Pode ser necessária alguma especialização na área para que o biomédico possa atuar, o que varia de região para região.

Powered by Rock Convert

Outras carreiras relacionadas e possíveis após especializações, treinamentos ou graduações sequenciais desses biomédicos são:

  • analista de respingos de sangue;
  • analista de laboratório criminal;
  • investigador da cena de crime;
  • especialista em balística forense;
  • enfermeiro forense;
  • psicólogo forense;
  • técnico em ciências forenses, e mais!

Qual o papel da tecnologia na atuação profissional?

Cada vez mais, a tecnologia na Biomedicina está favorecendo tanto os profissionais, quanto os resultados obtidos em laboratórios de análises clínicas e criminais. Essa união de saberes possibilita avanços inegáveis no contexto da saúde e na perícia.

Bons exemplos são a identificação rápida de criminosos e a resolução eficaz de casos considerados difíceis ou impossíveis de serem solucionados sem o uso dessas novas ferramentas.

Como o biomédico pode entrar nessa área?

Além de ter uma graduação na área, preferencialmente em uma instituição de qualidade que possibilite um maior grau de conhecimento e prática ainda durante os estudos, passar em um concurso público é obrigatório para o exercício da função nas esferas governamentais.

Embora os editais contem com possibilidades nas mais diversas áreas de atuação (Química, Informática, Finanças, Engenharia, Meio Ambiente e Genética), para os cargos nas áreas biológicas, ter um diploma de graduação em Biomedicina é fundamental.

Com disciplinas que vão de química orgânica básica à virologia, a matriz curricular de Biomedicina é ampla, o que possibilita a formação de profissionais aptos a entender o mercado na área da saúde e atuar na manutenção da saúde das pessoas. E, por que não, na formação de um perito criminal mais qualificado?

É possível também, trabalhar no mercado privado de perícias, desde que essa atuação não interfira no que estabelece a lei acerca da profissão — nesse caso, o Código de Processo Penal Brasileiro (Decreto Lei nº 3.689, de 03 de outubro de 1941, Artigo 159).

Ou ainda, em empresas particulares analisando e identificando fatores de riscos ou possíveis consequências das atitudes dessas empresas, sempre em consonância ao seu conhecimento e domínio técnico sobre a área em que esse profissional irá atuar.

Mesmo que esse seja um mercado restrito e com muitas exigências de qualificação, é também uma área promissora e que tende a crescer e evoluir com o tempo e com o aparecimento de novas ferramentas tecnológicas de prevenção e investigação de crimes.

Mas fica um alerta: a profissão de perito criminal não é para qualquer um! É preciso muito preparo psicológico para atuar na área, afinal, nem todos conseguem de fato lidar com cenas nas quais crimes aconteceram devido à complexidade das situações e a influência delas em nossas vidas.

Assim, se você tem interesse de aproveitar essa possível demanda profissional, começar o quanto antes pode ser uma excelente ideia. Gostou do tema e quer saber como a Faculdade da Polícia Militar pode ajudar na construção de uma carreira sólida e promissora? Entre em contato e saiba mais!

Você também pode gostar

Sem comentários

Deixe um comentário